quarta-feira, agosto 30, 2006

Diálogos pueris III

Ele: Se não tivesse necessidade num vinha, que hoje está ruim. Dos dias todos do ano, este é o mais bravo! (vento seco). Mas você sim, você vem toda bonita!
Ela: (a entrar) Lá vou para o médico... Isto, uma pessoa basta num bir em coiro que já está asseada.
Ele: Ora, também assim digo.
Ela: Vou lá tratar da baixa da minha filha, que o meu neto foi operado e ela tem que tomar conta dele.
Ele: E quê? Foi grave?
Ela: Foi à garganta, coitado. Não pode levar com os cobertores de noite que abafa; não pode correr que cai com a aflição... Mas o médico diz que mais vale sofrer agora em novo senão quando tal passava a carneiro morto.... o coitadinho....
Ele: E inda é muito novo ou quê?
Ela: Tem 12 anos, anda em 13.
Ele: Oh diacho, então! Sinda ó menos fosse entradote!... Você conhecia o marido da dona Eduarda? Tão novo e lá foi. E olhe, também foi com uma coisa ruim na garganta!
Ela: Então não conhecia?!... Tinha 51 anos o pobre....
Ele: Nããã!!! Tinha mais. Já andava nos 70!
Ela: Isto, tantas vezes o digo, antigamente é que era! Num comíamos sopa; era caldo de lavrador e o pão co diabo amassou. Escravatura, fome de cão, a ceibar o campo o dia inteiro e o povo inda cantava. Isso é que era uma reinação!
Ele: Você pode não acreditar que eu era mais feliz na altura com dois tostões no bolso do que hoje com cem contos! Mas olhe que é a verdadinha.
Ela: E eu que ganho 113 contos só para mim?! Chega-me e sobra-me! Mas porra lá pró dinheiro se num tenho alegria pró gozar!!
Ele: Olhe, também assim digo. Que Deus me perdoe, mas quem me dera me levasse daqui, que isto já num está para nós. Antes a morte à cama!

1 comentário:

  1. Parabéns por estes diálogos pueris. gostei muito!
    continuarei a visitar este blog à espera de mais.
    dá uma vista de olhos nos meus posts, pois tb me agrada a forma dramática breve.
    miguel

    ResponderEliminar