quarta-feira, dezembro 31, 2014

Save me



Save me
Save me

You think I don't laugh oh, 
do things I can like so,
why are we losing time?

I don't want to get up oh, 
bring me what I need so,
why are we losing time ?

It's like I've seen the light
but you have never known

terça-feira, dezembro 30, 2014

Someone new



I can love you desperately
Throw you loving guarantee
Oh is you know the deal, I love from far away
And I simply needed space, space for me to be
And I think you need it too
Oh I know you call me selfish for soon
I did this for you too
Still got me round your fingers though I'm far away
Please believe me when I say

Everything I do, I'm gonna think of you
Don't know what else to do
You've got me, you've got me baby
Everything I make I only make for you
Baby be patient for me
And please don't fall in love with someone new
I promise one day I'll come back for you

Oh you say you hate me now
And you burn me with your words
Calling me a fool, saying that I effed up everything
And you'll never forgive me
Though I'm doing this for you
Baby can't you see?
There's such a thing of loving someone so much
That you need to give them time to let them breathe
But you don't understand, I wish you understood
Oh I hope one day you do

Everything I do, I'm gonna think of you
Don't know what else to do
You've got me, you've got me baby
Everything I make I only make for you
Baby be patient for me
And please don't fall in love with someone new
I promise one day I'll come back for you

Believe in you, believe in me
We're meant to be together
I told you weren't lyin'
I know you aren't relying
And now I am supplying you the time and space
To let you grow into the person that I know
That I know you could be
And I could be her too, and I'll come back to you
But I ain't ready for you baby
I ain't ready for you now
I'm not ready right now
Please don't leave me

Everything I do, I'm gonna think of you
Don't know what else to do
You've got me, you've got me baby
Everything I'm gonna make for you
Baby be patient for me
And please don't fall in love with someone new
I promise one day I'll come back to you
I promise one day I'll come back to you
I promise one day I'll come back to you
I promise baby one day I'll come back to you
I promise baby one day I'll come back to you

segunda-feira, dezembro 29, 2014

Murmurs



I wish you
I wish you would see what I see
I wish you
I wish you would see what I see

Lead a lead a light of thee
You used to use to see
How you only only need
To blow them out

Yesterday was your birthday
Happy birthday

200 candles, a liar, a scandal, a fire
through the roof, when I called you

Were you there? Were you there?
Were you ever alive?

I wish I could see what you see
I wish I could see what you see

Lead a lead a light of thee
You used to use to see
How you only only need
To blow them out

Lead a lead a light of thee
You used to use to see
How you only only need
To blow them out

Lead a lead a light of thee
You used to use to see
How you only only need
To blow them out

Silly silly silly me
I used to use to see
Now our holy holy light
Is blowing out

domingo, dezembro 28, 2014

Da plateia em 2014


Coriolano, Shakespeare, Nuno Cardoso, Teatro Nacional São João, Porto *****
Grind, Jefta van Dinther, Guidance *****
Mozart concert arias - Un moto di gioia, Anne Teresa De Keermaeker, Teatro Rivoli, Porto ****
Hale, Aleksandra Osowics, Filipe Pereira, Helena Martos Ramírez, Inês Campos e Matthieu Ehrlacher, Guidance ****
A Farsa, Raul Brandão, As boas raparigas, Black Box, Porto ****
Trainsposition#2, Emanuel Gat, Ballet de Lorraine, Guidance ***
Por minha culpa minha tão grande culpa, Mara Andrade e Marco da Silva Ferreira, Guidance ***
Oxitocina, Mara Andrade, Guidance ***
O que fica do que passa, Teresa Silva e Filipe Pereira, Guidance **
Hoje, Tiago Guedes, Guidance **
Agapornis, Teatro de Marionetas do Porto, Teatro Carlos Alberto, Porto *

Cildo Meireles, Museu de Serralves ****

sábado, dezembro 27, 2014

Melhores concertos de 2014


Top 10
Nils Frahm, Jardins Efémeros, Viseu
The National, Primavera Sound, Porto
Chvrches, Paredes de Coura
Woodkid, Super Bock Super Rock, Meco
Hamilton Leithauser, Paredes de Coura
Future Islands, Hard Club, Porto
Portishead, Marés Vivas, Gaia
Arcade Fire, Rock in Rio, Lisboa
Cheatahs, Paredes de Coura
Mark Eitzel, Espinho

Slowdive, Primavera Sound, Porto
Sensible Soccers/Pedro Maia, (filme-concerto) Vila de Conde
Darkside, Primavera Sound, Porto
John Grant, Primavera Sound, Porto
James Blake, Paredes de Coura
Panda Bear,  Super Bock Super Rock, Meco
Sensible Soccers, Milhões em Festa, Barcelos
Disclosure, Super Bock Super Rock, Meco
Growlers, Paredes de Coura
Goat, Paredes de Coura
Beirut, Paredes de Coura
Cults, Super Bock Super Rock, Meco   
Eddie Wedder, Super Bock Super Rock, Meco   
Wild Beasts, Rock in Rio, Lisboa
Slint, Primavera Sound, Porto
Manuel Cruz, Siloauto, Porto
Gisela João, Serra do Pilar, Gaia

Clássica:
Grigory Sokolov, Casa da Música, Porto
Rui Massena, Casa da Música, Porto
Rafael  Kyrychenko, Casa da Música, Porto



sexta-feira, dezembro 26, 2014

Fitas em pause em 2014


A grande beleza, Paolo Sorrentino *****
Jeune et Jolie, François Ozon *****
20.000 days on earth, Iain Forsyth & Jane Polard *****
Vénus Negra, Abdellatif Kechiche *****
The secret of the grain,  Abdellatif Kechiche *****
L'Esquive,  Abdellatif Kechiche ***
Only lovers left alive, Jim Jarmush ****
Dallas Buyer Club, Jean Marc Vallée *****
Her, Spike Jonze ****
Nymplomaniac, Lars Von Trier ****
12 years a slave, Steve McQueen *****
Interstellar, Cristopher Nolan ***
Boyhood, Richard Linklater ****
Begin again, John Carney ***
Half Nelson, Ryan Fleck ****
Gone Girl, David Fincher ***
Don't come knocking, Wim Wenders ****
A most wanted man, Anton Corbijn ***
The spectacular now, James Ponsoldt ***
The great Gatsby, Baz Luhrmann ****
All is lost, J.C. Chandor ****
August Osage County, Jonh Wells ***
Inside Llewyn Davis, Ethan e Joel Coen **
Philomena, Stephan Frears ****
The wolf of wall street, Martin Scorcese ***
Diana, Oliver Hirschbiegel ***
Short term 12, Destin Cretton ***
Blue Jasmine, Woody Allen **
About time, Richard Curtis ****
Mistaken for strangers, Tom Berninger ****
Lucy, Luc Besson ***
Maps to the stars, David Cronemberg ***
2 metros quadrados, Rui Oliveira & Ana Oliveira ****
Welcome to New York, Abel Ferrara ***

quinta-feira, dezembro 25, 2014

Livros sublinhados em 2014

Alex Stoddard

Roberto Bolaño, Os detectives selvagens
Meg Wolitzer, Os interessantes
Marcel Proust, No caminho de Swann
Stefan Zweig, Amok
Alan Bennett, A leitora real
David Foster Wallace, Uma coisa supostamente divertida que nunca mais vou fazer
Art Spiegelman, Maus
J. Rentes de Carvalho, Portugal, a flor e a foice
Rui Nunes, (ou, transigindo, de que lado passarás a morrer, a clarear)?
Rui Nunes, Nocturno Europeu
Paulo José Miranda, Filhas
Paulo José Miranda, Todas as cartas de amor
Paulo José Miranda, A máquina do mundo
Dulce Maria Cardoso, Os meus sentimentos
Ondjaki, Os vivos, os mortos e o peixe frito
Maria da Conceição Ribeiro, Raul Brandão, Um labirinto trágico (estudo e antologia)
E.M. Cioran, Do inconsciente de ter nascido


quarta-feira, dezembro 24, 2014

Canções em repeat em 2014


I'll never love again, Hamilton Leithhouser
Different pulses, Asaf Avidan
Clearing, Grouper
Someone new, Banks
Murmurs, Hundred Waters
Cavity, Hundred Waters
So now you know, The horrors
Your love is killing me, Sharon van Etten
Love me like i'm not made of stone, Lykke Li
The mother we share, Chvrches
i love you, Woodkid
Oooo, Karen O
Shame, Mas Ysa
Still cold, Ryan Hemsworth
Thievery, Arca
High on the skyline, The new mendicants
Colombia, Local Natives
The dancer disapeears, Dean Wareham
Lean, The National
Seasons (waiting on you), Future Islands
A dream of you and me, Future islands
To the top, Twin shadow
Palace, The Antlers
Instant crush, Daft Punk
Touch, Daft Punk
Forever, Iceage
Panda Bear
When the sun hits, Slowdive
Dream house, Deafheaven
Sunbather, Deafheaven
Latch, Disclosure
I dreamed, Broken Twin
AGF, Sensible Soccers
Save me, Klingande
Save me, The dream collision
Something last a long time, Daniel Johnston
Comrade, Volcano Choir

terça-feira, dezembro 23, 2014

Frases de 2014


"A todos, estejam no Governo ou na oposição, impõe-se estar à altura do momento crucial que vivemos. Devemos preparar-nos seriamente para o período pós-troika."
Aníbal Cavaco Silva, Presidente da República, na mensagem de Ano Novo
01-01-2013

"É preciso um programa [de assistência pós-'troika'] -- chamem-lhe o que quiser, até já ouvi chamar-lhe pirolito -- que não cometa o mesmo erro da 'troika'."
José Silva Peneda, presidente do Conselho Económico e Social
09-01-2014

"O Governo vê os reformados como buracos na estrada."
Manuela Ferreira Leite, ex-líder do PSD
TVI24, 09-01-2014

"[O Governo português está] a emitir vistos dourados, talvez até a criminosos de outras partes do mundo, que são vistos [para o espaço] Schengen."
Ana Gomes, eurodeputada do PS
15-01-2014

"Claramente, eu acho que ele [Pedro Passos Coelho] quis excluir na moção de estratégia o candidato Marcelo Rebelo de Sousa [à Presidência da República]. Quis, o que é perfeitamente legítimo. Estás nas suas mãos e quis fazê-lo."
Marcelo Rebelo de Sousa, antigo líder do PSD

TVI, 19-01-2014
"O Governo não deixará de fazer aquilo que tem de fazer por pensar nas eleições e acho que essa é a melhor condição para as disputar."
Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro e líder do PSD
25-01-2014

"Para o Governo é tudo matemática orçamental, as pessoas não contam. Depois as peças não encaixam, porque são tudo medidas pontuais."
António Bagão Félix, ex-ministro das Finanças
i, 08-02-2014

"Lamento profundamente que os investidores tenham perdido dinheiro."
João Rendeiro, fundador do Banco Privado Português, em julgamento
12-02-2014

"Já fomos nacionalizados uma vez e não queremos voltar a sê-lo. Somos suficientemente fortes para seguirmos o nosso caminho sem a ajuda do Estado."
Ricardo Salgado, presidente do Banco Espírito Santo
13-02-2014

"A questão de me encarar como o quarto elemento da 'troika' é simplesmente insultuosa. Recuso esse papel. O meu papel é o oposto. A 'troika' estava sentada do outro lado da mesa."
Vítor Gaspar, ex-ministro das Finanças
Público, 17-02-2014

"A vida das pessoas não está melhor, mas a vida do país está muito melhor."
Luís Montenegro, líder parlamentar do PSD

JN, 20-02-2014
"Quando há eleições os submarinos emergem, passam as eleições, submergem. (...) É assim há 10 anos."
Paulo Portas, vice-primeiro-ministro e líder do CDS-PP
23-02-2014

"Depois do programa de ajustamento, é preciso um programa sério de fisioterapia que desenvolva o músculo."
António Costa, presidente da Câmara de Lisboa
08-03-2014

"Confio à misericórdia de Deus o amado cardeal, recordando-me da sua preciosa colaboração nos diferentes organismos da Santa Sé."
Papa Francisco, em telegrama a propósito da morte do cardeal José Policarpo
13-03-2014

"[Reposição salarial na Função Pública?] Isso não é possível. Não há milagres, não descobrimos petróleo entretanto."
Maria Luís Albuquerque, ministra das Finanças
19-03-2014

"O melhor programa cautelar que nós poderíamos ter em Portugal é um acordo interpartidário entre as diferentes forças políticas."
Cavaco Silva
21-03-2014

"Eu próprio já disse várias vezes ao primeiro-ministro que há limites para uma certa política, que temos de considerar os limites políticos e sociais das medidas tomadas."
José Manuel Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia

SIC/Expresso, 28-03-2014
"Isto está mau, está a ser complicado, a cortarem-nos nos vencimentos. Está mal e o Estado não tem dinheiro, de maneira que isto é um problema."
António Passos Coelho, pai do primeiro-ministro
Lusa, 30-03-2014

"A senhora presidente da Assembleia da República disse que o problema [não ir à sessão solene do 25 de Abril no parlamento] é nosso. Sendo assim, o problema está resolvido, não estaremos presentes."
Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de Abril
10-04-2014

"[Não aceitaria deste Governo e do Presidente da República] nem uma côdea de pão, quanto mais um prémio. Não preciso de prémios, preciso de ter respeito por mim."
Maria Teresa Horta, escritora
Jornal de Negócios, 11-04-2014

"[A unidade nacional] não se mantém com este nível de desempregados, com este nível de miséria, havendo portugueses com fome, que é uma coisa que nos ofende e que não devíamos permitir."
Ramalho Eanes, ex-Presidente da República
14-04-2014

"Assim Deus me dê saúde."
Paulo Portas, sobre se tenciona cumprir a legislatura até ao fim
16-04-2014

"É difícil trabalhar nestas condições. Ainda há pouco fui ao 'site' do FMI e ainda não estavam lá os documentos e já havia 'takes' da Lusa sobre isso."

Pedro Marques, deputado do PS
21-04-2014

"Acho que os nossos atuais políticos são uns garotos, que nunca fizeram nada na vida, que não têm experiência de nada e que nos estão a levar para um buraco, que não sei como vamos sair dele. (...) Deus queira que eu me engane."
Garcia dos Santos, general
Lusa, 22-04-2014

"Sempre que estivemos unidos, estivemos mais próximos dos ideais de Abril. (...) A democracia não corre perigo, mas, 40 anos depois do 25 de Abril, é tempo de os partidos repensarem o sentido da sua ação e assumirem a responsabilidade que lhes cabe na construção do futuro de Portugal."
Cavaco Silva, na sessão solene do 40.º aniversário do 25 de Abril, na Assembleia da República
25-04-2014

"A democracia e a liberdade têm de ser regadas com muito cuidado todos os dias."
Passos Coelho, dirigindo-se a jovens nos jardins da residência oficial do primeiro-ministro
25-04-2014

"Este Governo é contra o 25 Abril."
Mário Soares
25-04-2014

"Ou muda urgentemente de política e inverte o caminho de submissão, austeridade e empobrecimento do país, ou este Governo tem de ser apeado sem hesitação."
Vasco Lourenço, nas comemorações do 25 de Abril no Largo do Carmo, em Lisboa

25-04-2014
"Estou a fazer o mesmo com a minha neta que fazia com o meu filho antes do 25 de Abril: tinha que partir um bife ao meio ou mesmo dizer que não queria o bife. É muito complicado."
Ermelinda Gonçalves, aposentada da função pública, durante um desfile comemorativo dos 40 anos do 25 de Abril
Lusa, 25-04-2014

"Depois da Irlanda e da Espanha, Portugal é o terceiro país da zona euro a sair com sucesso do seu programa de assistência. Apesar de ser um motivo para celebração, não é razão para complacência."
Siim Kallas, comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros
17-05-2014

"Em primeiro lugar, a partir deste dia, Portugal não está obrigado a negociar as suas leis com credores estrangeiros. Para um democrata, esta mudança não é pequena."
Paulo Portas, sobre a saída da 'troika' (Comissão Europeia, Banco Comercial Europeu e Fundo Monetário Internacional)
17-05-2014

"Hoje, Portugal olha para a frente. Está a completar com sucesso o seu programa de reforma económica, depois dos grandes esforços, determinação e sacrifícios feitos pelo povo português. Agora, além do combate imediato, começa a virar a esquina da crise e a construir sobre os progressos alcançados."
Christine Lagarde, diretora-geral do FMI
25-05-2014

"Começa hoje um novo ciclo em Portugal. Os portugueses censuraram este Governo [PSD/CDS], este Governo chegou ao fim. Os portugueses querem um novo Governo, um Governo liderado pelo PS."
António José Seguro, líder do PS, no discurso de vitória nas eleições europeias

25-05-2014
"A Aliança Portugal ficou, evidentemente, aquém das suas expectativas. Perdemos estas eleições e eu quero, no que me toca, reconhecer a responsabilidade política por este resultado."
Passos Coelho
25-05-2014

"É verdade, perdemos duas eleições, mas o provérbio não é definitivo: pode haver duas e não haver três."
Paulo Portas
25-05-2014

"O PCP anuncia hoje a decisão de apresentar moção de censura ao Governo. A mais baixa votação de sempre destes partidos (PSD e CDS-PP) foi uma clara censura do povo português."
Jerónimo de Sousa, líder do PCP
25-05-2014

"Estou disponível, não quero que haja qualquer tabu, qualquer equívoco, eu estou disponível para assumir as minhas responsabilidades."
António Costa, presidente da Câmara de Lisboa
27-05-2014

"No Vaticano temos um papa emérito e um papa em efetividade de funções, mas isto só funciona porque o papa emérito está retirado em oração e faz todo o possível para não criar nenhum problema. Ora, eu não estou a ver que um secretário-geral do PS escolhido pelos seus militantes se retirasse agora em oração para a Capela do Rato."
José Sócrates, ex-primeiro-ministro
RTP, 01-06-2014

"Não podemos querer muita despesa social e ao mesmo tempo não querer pagar impostos, porque, infelizmente ainda não descobrimos petróleo."
Maria Luís Albuquerque, ministra das Finanças

03-06-2014
"Os danos provocados ao PS devido à sua ambição pessoal [António Costa]! Um PS em queda, depois de termos ganho as eleições europeias e de o Governo ter chumbado pela terceira vez no Tribunal Constitucional. Lamentável. O PS não merece isto!"
António José Seguro
Facebook, 07-06-2014

"Depois de estar privado da liberdade 14 meses, naturalmente que se tem uma dimensão diferente de pormenores da vida, de coisas que temos, que antes não aproveitávamos devidamente e agora aproveitamos de outra forma."
Isaltino Morais, ex-autarca, depois de sair da prisão em liberdade condicional
Lusa, 25-06-2014

"Vá chamar palhaço ao seu pai."
José Magalhães, deputado do PS, dirigindo-se para a bancada do PSD
26-06-2014

"Eu rezo com palavras de Sophia."
Manuel Clemente, patriarca de Lisboa, nas cerimónias de trasladação dos restos mortais da poetisa Sophia de Mello Breyner Andresen para o Panteão Nacional
02-06-2014

"O cinema português é tão conhecido como o cinema esquimó. Não existe."
António Pedro Vasconcelos, cineasta
Jornal de Negócios, 04-07-2014

"Os depositantes no BES podem estar tranquilos."
Carlos Costa, governador do Banco de Portugal
16-07-2014


"Com esta liberalização, estas rotas encontram-se totalmente abertas à entrada de qualquer companhia aérea, incluindo as chamadas 'low cost'."
Vasco Cordeiro, presidente do Governo dos Açores, ao anunciar um acordo com o executivo de Lisboa sobre as ligações aéreas com o arquipélago
Lusa, 18-07-2014

"Reitero a total disponibilidade para colaborar com a justiça no apuramento da verdade."
Ricardo Salgado, ex-presidente do BES, em comunicado após ter sido detido
24-07-2014

"Vinte e seis mil milhões de euros é uma pipa de massa. Este dinheiro deve ser bem aplicado, que se calem aqueles que dizem que a União Europeia não é solidária com Portugal e com os países da coesão."
Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia
30-07-2014

"Não tenho capitais, nunca tive contas no estrangeiro, a não ser uma conta na CGD que abri em Paris."
José Sócrates, reagindo a uma notícia da revista Sábado que o associa ao caso Monte Branco
RTP, 30-07-2014

"A medida de resolução agora decidida pelo Banco de Portugal, e em contraste com outras soluções que foram adotadas no passado, não terá qualquer custo para o erário público e nem para os contribuintes."
Carlos Costa, ao anunciar a solução para o Banco Espírito Santo, que passou pela criação do Novo Banco
03-08-2014


"No fim de semana passado, estivemos na iminência de uma crise sistémica, estivemos em cima do fio da navalha e saímos bem. (...) Não fazer nada seria o caos cipriota."
Carlos Costa
07-08-2014

"Vi este convite [para liderar o BES] como uma missão de dever quase patriótico [para] evitar o debacle financeiro do país."
Vítor Bento, presidente executivo do Novo Banco
SIC, 07-08-2014

"Vou lutar pela honra e dignidade, minha e da minha família."
Ricardo Salgado
Diário Económico, 14-08-2014

"Verdadeiramente, o meu adversário neste processo é Rui Rio. O país anseia por novos protagonistas, com provas dadas, que rompam este ciclo de vistas curtas em que temos estado bloqueados nos últimos anos."
António Costa, candidato às primárias do PS
Expresso, 23-08-2014

"Estou em choque, confesso, e a sensação que me fica é que a sentença não é sobre as acusações, não é sobre o que estava em causa. Eu acho que a sentença tem muito a ver com a minha circunstância [ter sido ministro do PS]."
Armando Vara, após a condenação a cinco anos de prisão efetiva no âmbito do processo "Face Oculta"
05-09-2014

"[O Presidente da República] espera que logo que o Governo tenha conhecimento de factos relevantes [sobre o BES] não deixe de [lhe] comunicar. Espero que tenha acontecido assim -- porque é o que resulta da Constituição."

Cavaco Silva
07-09-2014

"A argumentação usada pelo Ministério Público na acusação, bem como pelo tribunal durante o julgamento, revelam a existência de preconceitos sobre os políticos, em particular sobre os políticos que exerceram ou exercem cargos governativos."
Maria de Lurdes Rodrigues, ex-ministra da Educação, após ter sido condenada a uma pena suspensa por prevaricação de titular de cargo público
15-09-2014

"Peço desculpa em nome do Ministério da Justiça pelos transtornos [resultantes dos problemas detetados na plataforma informática Citius]. (...) A responsabilidade política assumo-a integralmente."
Paula Teixeira da Cruz, ministra da Justiça
17-09-2014

"Peço desculpa aos pais, aos professores e ao país."
Nuno Crato, ministro da Educação, sobre os problemas com a colocação de professores
18-09-2014

"Nos últimos dias, fui sujeito a um ataque de homicídio pessoal e político inacreditável. De várias fontes, somando mentiras e calúnias arrancadas do nada."
Luís Filipe Menezes, sobre o seu alegado envolvimento em atos ilícitos
19-09-2014

"Não tenho presente todas as responsabilidades que desempenhei há 15 anos, 17 e 18. É-me difícil estar a detalhar circunstâncias que não me estão, nesta altura, claras, nem mesmo nas supostas denuncias que terão sido feitas."
Passos Coelho, sobre alegados pagamentos que recebeu da Tecnoforma há 15 anos
19-09-2014


"Devo ser o único português que gostou do verão que tivemos até agora."
Miguel Macedo, ministro da Administração Interna
20-09-2014

"Só Fernando Ulrich, o tal banqueiro do 'ai aguenta, aguenta', é que veio dizer que não era preciso ser Sherlock Holmes para ver o que se passava no BES. Sabia tanto e também se fez de 'morto' à espera de deitar a mão à presa."
Jerónimo de Sousa
21-09-2014

"Não recebo nenhuma lição de moral tua."
António José Seguro, para António Costa
RTP, 23-09-2014

"Mas fazia-te falta."
António Costa
RTP, 23-09-2014

"Guardo as cópias do IRS de todos os anos. Dá jeito para evitar problemas."
Ângelo Correia, antigo patrão de Passos Coelho na Fomentinvest
Diário de Notícias, 25-09-2014

"Se cada vez que alguém aparecer a fazer insinuações, eu tiver de fazer (como qualquer um dos senhores deputados) o 'striptease' das contas bancárias, para deleite dos leitores de jornais, isso não faço."
Passos Coelho
26-09-2014

"Concluo hoje uma das fases mais estimulantes e gratificantes da minha vida política, mas o meu compromisso cívico mantém-se."
António José Seguro, após a derrota nas primárias do PS

28-09-2014
"Sim, fiz nove abortos. Foi horrível."
Paula Rego, pintora
Sábado, 02-10-2014

"Representaria, a meu ver, o regresso ao pelourinho e à justiça do apedrejamento, que são o que há de mais contrário à dignidade das pessoas."
Jorge Sampaio, ex-Presidente da República, sobre a proposta de lei do Governo para divulgação de condenados por crimes de pedofilia
02-10-2014

"Uma política orçamental inteligente é aquela que apoia o emprego e o crescimento, ao mesmo tempo que traz a dívida pública para níveis mais seguros [e que] valoriza o investimento público eficiente e facilita as reformas estruturais."
Vítor Gaspar, presidente do Departamento de Assuntos Orçamentais do FMI
08-10-2014

"Contem comigo na torcida!"
Zeinal Bava, em carta de despedida aos trabalhadores da Oi
09-10-2014

"Nuno Crato chegou ao Ministério da Educação como 'professor Pardal' para fazer experiências com a vida das pessoas."
Catarina Martins, coordenadora do BE
10-10-2014

"[O que aconteceu na PT é] um exemplo muito, muito mau [de uma cultura empresarial dominada por gestores com] estatuto de inimputabilidade, [que são] especialistas na compra de prémios internacionais [e apresentados] como gurus da gestão."
António Pires de Lima, ministro da Economia

Expresso, 11-10-2014
"O plano de drenagem não faz desaparecer estas situações [cheias em Lisboa]. A solução não existe."
António Costa, presidente da Câmara de Lisboa
14-10-2014

"No caso português já há dois ou três, sobretudo raparigas, que se deixaram encantar pelo entusiasmo dos noivos ou por um espírito de aventura, que agora estão a querer voltar [a Portugal]. [No total] Há 12 ou 15 [portugueses no Estado Islâmico], não sabemos exatamente bem, mas é um número muito reduzido."
Rui Machete, ministro dos Negócios Estrangeiros
Rádio Renascença, 21-10-2014

"Não se deixe pressionar. Não condecore [José] Sócrates. É que ele não merece tamanha nódoa no seu currículo."
Augusto Santos Silva, num apelo a Cavaco Silva
i, 29-10-2014

"Dei a [José] Sócrates um apoio sem falhas, quando muitos já não lhe atendiam o telefone."
Durão Barroso, presidente cessante da Comissão Europeia
Visão, 30-10-2014

"O pior que pode acontecer a Portugal é precisar de outro resgate e não o ter. É um cenário que aparentemente é razoavelmente inconcebível, mas que não parece tão inconcebível assim."
Maria Luís Albuquerque
30-10-2014

"Muitos se bateram até aos limites de forças e possibilidades [contra o pedido de ajuda à 'troika']. E aqui há que salientar uma pessoa, um nome: José Sócrates."

Ferro Rodrigues, líder parlamentar do PS
31-10-2014

"Se a Assembleia da República não mudar a lei eleitoral que aprovou em 1999, se não ocorrer uma grave crise política que ponha em causa a governabilidade, então as próximas eleições legislativas terão lugar em 2015, entre 14 de setembro e 14 de outubro. Ponto final."
Cavaco Silva
Expresso, 08-11-2014

"Eu penso que é legítimo, apesar de se tratar de uma empresa privada e brasileira, é legítimo, pelo menos, fazer uma pergunta: o que é que andaram a fazer os acionistas e os gestores desta empresa [Portugal Telecom]."
Cavaco Silva
10-11-2014

"No âmbito de um inquérito em investigação (...), estão em curso várias diligências, (...) tendo sido emitidos mandados de detenção. Neste inquérito investigam-se, entre outras, matérias relacionadas com a atribuição de vistos 'gold'."
Nota da Procuradoria-Geral da República (PGR), sobre a investigação que levaria à detenção, entre outros, do diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Manuel Jarmela Palos, e do presidente do Instituto dos Registos e Notariados, António Figueiredo
13-11-2014

"Não tenho qualquer culpa ou responsabilidade pessoal [no caso dos vistos dourados]. Saio para defender o Governo, a autoridade do Estado e a credibilidade das instituições."
Miguel Macedo, ao anunciar a demissão do cargo de ministro da Administração Interna
16-11-2014

"Eu não menti em nenhum dos momentos em que falei neste parlamento."

Maria Luís Albuquerque
19-11-2014

"Num momento de sofrimento como o que o meu povo está a viver, e a minha pátria está a viver, a alegria que possa dar às pessoas, apesar da simplicidade que as coisas têm - isto não lhes mata a fome, nem lhes arranja emprego -, mas que possa dar-lhes uma alegria, já fico muito contente."
Carlos do Carmo, fadista, antes de receber o Grammy Latino de Carreira
Lusa, 19-11-2014

"Temos um Estado muito pouco inteligente, obsessivamente centralizado."
Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto
20-11-2014

"Em nome do bom senso, os proponentes [PSD e PS] da proposta 524-C [fim da suspensão das subvenções vitalícias a antigos políticos] pedem para que seja retirada."
Couto dos Santos, deputado do PSD
21-11-2014

"Para além de José Sócrates, detido ontem, foram ainda detidos, na passada quinta-feira, Carlos Santos Silva, empresário, Gonçalo Trindade Ferreira, advogado, e João Perna, motorista."
Nota da PGR sobre o inquérito que levou à detenção do ex-primeiro-ministro e que investiga suspeitas dos crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção
22-11-2014

"Caras e caros camaradas, estamos todos por certo chocados com a notícia da detenção de José Sócrates. Os sentimentos de solidariedade e amizade pessoais não devem confundir a ação política do PS, que é essencial preservar."
António Costa, numa mensagem aos militantes do PS

22-11-2014
"O PS é um partido que não adota as más práticas estalinistas de eliminação da fotografia deste ou daquele. O PS assume toda a sua história, dos bons e dos maus momentos."
António Costa, a propósito da detenção de José Sócrates
22-11-2014

"Hoje, eu acho que vale a pena dizer, que não somos todos iguais [os políticos]. Temos feito muito por essa diferença, e se hoje podemos olhar para o futuro com mais esperança, isso também se deve ao facto de termos tido uma estratégia de a termos prosseguido com determinação, sabendo aonde queríamos chegar."
Passos Coelho
23-11-2014

"Se António Costa resistir a isso e ganhar as eleições com o processo Sócrates às costas é um génio. Merece tudo."
Marcelo Rebelo de Sousa, antigo líder do PSD
TVI, 23-11-2014

"Como já sabem, o juiz de instrução decidiu decretar prisão preventiva [para José Sócrates]."
João Araújo, advogado do ex-primeiro-ministro
24-11-2014

"Isto é uma malandrice daqueles tipos que atuam e que não fizeram nada. Tem que ver com os malandros que estão a combater um homem que foi um primeiro-ministro exemplar."
Mário Soares, depois de visitar José Sócrates no Estabelecimento Prisional de Évora
26-11-2014


"Não tenho dúvidas que este caso tem também contornos políticos (...). Quero o que for político à margem deste debate. Este processo é comigo e só comigo. Qualquer envolvimento do Partido Socialista só me prejudicaria, prejudicaria o Partido e prejudicaria a Democracia.
José Sócrates, em comunicado enviado à rádio TSF e jornal Público
26-11-2014

"Por acaso, a sede do BES é na Avenida da Liberdade, 195. A haver alguma coisa, penso eu que é do BES. Ao BES o que é do BES, ao Novo Banco o que é do Novo Banco."
Eduardo Stock da Cunha, presidente do Novo Banco, sobre as buscas na sede do BES
27-11-2014

"É uma enorme satisfação e o culminar de um longo processo, de muito trabalho e de alguns problemas e barreiras, que tiveram de ser ultrapassados."
Tomé Pires, presidente da câmara de Serpa, sobre a classificação do cante alentejano como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO)
Lusa, 27-11-2014

"Só deixa de ser livre quem perde a dignidade. Sinto-me mais livre do que nunca."
José Sócrates
Expresso, 29-11-2014

"[A economia] estava aprisionada por grupos económicos que eram incentivados pelo Estado a aplicar os seus recursos em obras públicas que não eram sustentáveis. [...] Mas isso está a acabar. Os donos do país estão a desaparecer. Os donos do país são os portugueses."

Passos Coelho

segunda-feira, dezembro 22, 2014

quarta-feira, dezembro 17, 2014

Alexandre Mendes: Sendo autor


Se calhar, enganámo-nos apenas na forma nominal. Concebemos a Realidade a partir de um discurso demasiado infinitivo e, de alguma forma, isso toldou a nossa visão. Abraçámos essa cegueira tateando assustados como se nos tivessem roubado o tempo e o modo.
Reféns e assustados, absortos e paralisados, pendulares na inércia do dia-a-dia.
Parece que nos tiraram a vida quando sentimos que nos tiraram o Futuro dos tempos verbais e a voz ativa dos diálogos no café.
Esta Crise de que se fala fez adoecer o nosso discurso e com ele a nossa realidade.
Dissecámos os vários pretéritos para tentar entender o Presente. Ganhámos medo a sequer pensar no Futuro.
A salvação poderá estar num sensato Gerúndio e na transitoriedade para que a sua forma nos leva.
O Gerúndio é sábio no modo como nos indica continuidade entre o que faz parte do Passado e o que está sendo no Presente. O Gerúndio é um sábio moderno na flexibilidade que introduz ao discurso.
Possivelmente, já nada mais será como prevíamos e isso não é o fim dos tempos mas a sua evolução. O Gerúndio poderá ser a mais parcimoniosa forma de nos pensarmos e de organizarmos discursivamente a nossa vida.
Teremos de nos adaptar às complexidades narrativas que os desafios do Futuro nos trouxerem. A forma como contarmos a nossa história dirá muito de nós, do nosso legado e daquilo que fomos capazes de projetar para o nosso Futuro comum.
O Tempo tem testado a nossa flexibilidade e a nossa capacidade para nos adaptarmos à falta de controlo sobre o Amanhã.
Olhemos os surfistas no meio do mar. [Podemos aprender tanto com eles]
Um surfista e uma prancha são menores no meio de um mar ondulado e, razoavelmente, indomável. A vida dum surfista deitado numa prancha é tentar antecipar onde nascerá uma onda que possa cavalgar para um brilharete dedicado às babes no areal. A vida de um surfista é tentar apanhar a melhor onda, da melhor maneira, tentando tirar o melhor dessa oportunidade sabendo que, logo de seguida, cairá da prancha e a sua odisseia recomeçará sucessivamente.
Não há a paralisação de um fracasso na queda que vem depois de estar na crista de uma onda. Há apenas a onda seguinte que ou surfamos ou nos leva num atropelo.
A mais íntima diferença social dos nossos tempos tem que ver, na minha opinião, com a capacidade para lidar com este pânico induzido pela aridez de conjugar o nosso Futuro. Não temos todos as mesmas ferramentas nem os mesmos recursos e perante os mesmos sinais tenderemos a fazer variar a nossa resposta.
A Crise não nos levou. É verdade que tínhamos expectativas mas mudaram-se os planos e o tempo não está para birras. É hora de voltarmos à prancha, de apanhar a próxima onda. E não vale tudo porque os tempos estão duros. O salve-se quem puder foi que nos trouxe até aqui e este modelo faliu!
Desta vez, para variar, vale a pena pensarmos na arquitetura de uma sociedade nova alimentados por essa rebeldia de pensar e ter uma opinião alicerçada em princípios e valores. Falaremos em gerúndios com os olhos postos nessa próxima onda, seja como for, mas será!
De que vale o medo do Futuro? Que orgulho nos trará vingar sem trazer connosco o sucesso de uma comunidade?
Sou pelo desafio intrépido ao Futuro. Sou pelos surfistas que se atiram às ondas. Sou pela autoria da minha própria vida.
Teremos diferenças nos recursos e ferramentas de que dispomos para lidar com a adversidade e com tudo o que o Futuro nos trará, mas podemos começar por mudar a construção das nossas falas. Moldar-nos ao gerúndio, que discretamente, nos vai inclinando para a continuidade, para o Amanhã.
Não subestimemos o poder da Palavra enquanto construtor da realidade nem o nosso engenho para inventar o Futuro. Quando em meninos víamos a série de desenhos animados “The Jetsons” podíamos assumir que o Futuro da Humanidade já estaria alinhado e que, a esta hora, viveríamos em cidades suspensas, com carros voadores e sem necessidade de trabalhar porque sofisticados robots produziriam riqueza para nós. Em vez disso, o que 2012 nos trouxe foi o Gangnam Style!…
O Futuro não existe, vai existindo [aqui está o gerúndio]. Aquilo que me parece central é que não deixemos de nos reconhecer como autores da nossa própria história pessoal e colectiva nem que, temporariamente, tenhamos mais dificuldade em ver o Futuro.
Havemos sempre de ter o oráculo do olhar dos nossos filhos e a Utopia no horizonte, e como diria Eduardo Galeano, a Utopia serve para isso mesmo, para nos fazer caminhar.
.

quinta-feira, dezembro 11, 2014

Manoel de Oliveira, 106 anos, o homem que mais me comove em Portugal

"A vida é uma derrota. A gente vive na derrota. Nasce contra vontade, e não é senhor do seu destino. (...) O mundo é complexo, incompreensível, talvez não tanto para quem tem uma crença nalguma coisa firme, mas para aqueles onde a dúvida prevalece. E o que proponho é a dúvida. A dúvida é uma maneira de ser."

Ler: http://expresso.sapo.pt/manoel-de-oliveira-a-vida-e-uma-derrota=f902060

quarta-feira, dezembro 10, 2014

Ryszard Kapuscinski: Os cínicos não servem para rste ofício


"Desconfio sempre das pessoas que conhecem todos os autores e todos os livros. São as pessoas mais frívolas que conheço, escondidas atrás de uma falsa intelectualidade. Essa capa de intelectualidade é o único refúgio contra o desespero que deve ser o de calcularmos tudo na vida e nunca nos deixarmos levar por ela."

terça-feira, dezembro 09, 2014

Manoel de Barros: Ruína

[Oleg Oprisco]

Um monge descabelado me disse no caminho: "Eu queria construir uma ruína. Embora eu saiba que ruína é uma desconstrução. Minha ideia era de fazer alguma coisa ao jeito de tapera. Alguma coisa que servisse para abrigar o abandono, como as taperas abrigam. Porque o abandono pode não ser apenas de um homem debaixo da ponte, mas pode ser também de um gato no beco ou de uma criança presa num cubículo. O abandono pode ser também de uma expressão que tenha entrado para o arcaico ou mesmo de uma palavra. Uma palavra que esteja sem ninguém dentro. (O olho do monge estava perto de ser um canto.) Continuou: digamos a palavra AMOR. A palavra amor está quase vazia. Não tem gente dentro dela. Queria construir uma ruína para a palavra amor. Talvez ela renascesse das ruínas, como o lírio pode nascer de um monturo”. E o monge se calou descabelado.

Ensaios fotográficos.

domingo, dezembro 07, 2014

Mário Soares faz hoje 90 anos. Tanto para agradecer.


Esta conversa à mesa foi escrita antes de rebentar o caso da detenção e suspeitas de corrupção de Sócrates e o seu cortejo de pequenos e grandes escândalos. A conversa vinha a propósito dos 90 anos de Mário Soares, este domingo, e a publicação a 27 de novembro de um livro de escritos políticos do tempo do exílio de Paris, "Cartas e Intervenções Políticas no Exílio". Posteriormente, pedi-lhe que comentasse o caso de Sócrates, quando não se sabiam ainda as acusações ou outras peças processuais senão as das fugas de informação. Mário Soares respondeu: "Não vou por agora dizer mais nada. Disse o que tinha a dizer no 'Diário de Notícias'". Onde escreveu: "O que foi feito a um ex-primeiro-ministro, com enorme aparato lesivo do segredo de Justiça, não pode passar em vão". E, rematando a nossa segunda conversa: "Estou, como calcula, muito maldisposto com tudo isto e extenuado".

Fica irritado quando as pessoas lhe dizem que tomaram elas chegar aos 90 anos assim e que ele está muito bem. "Pois, mas quem tem 90 anos sou eu e não é fácil. Não gosto nada de ter 90 anos". Esta a máxima queixa física que se lhe ouve. Pergunto-lhe se não está a ficar pessimista com o estado do país, ele que sempre foi um otimista. "Pessimista? Nada! O estado do país é uma infâmia! Mas há de mudar, os portugueses são ótimos!" Sempre lhe ouvi esta frase, "os portugueses são ótimos", às vezes transformada em "os nossos jovens são ótimos". Ouvi-a muitas vezes quando fizemos um programa para a RTP chamado "O Caminho Faz-se Caminhando", a frase do poeta espanhol António Machado (da geração de 27) que ele tanto gostava de citar na política quando ainda era um político ativo.

Almoçámos num dos seus restaurantes favoritos, um restaurante popular. Bebe um moscatel como aperitivo enquanto espera, porque chega sempre antes de toda a gente, incrivelmente pontual como foi toda a vida. E, dantes, incrivelmente maldisposto quando os outros não respeitavam a pontualidade. Hoje, está mais calmo em matéria de horários. Escolhe uma costeleta com batata frita e grelos salteados, com uma sopa. "A primeira coisa que vou comer é uma sopa". Há uns anos, lembro-me de um repasto num restaurante fino no Douro, e de outro repasto finíssimo em Espanha, em que a cozinha tendia para o molecular, versão copiada do género inventado por Ferran Adrià. Soares resmungou o tempo todo, suspirando que aquele estilo não era o seu, clamando por um prato vital, cheio, tradicional. Em casa, mandava sempre fazer uns petiscos de que gostava, como pataniscas de bacalhau ou peixinhos da horta.

É por isto que gosta deste restaurante, lá se diz na entrada Comida Tradicional Portuguesa. "A melhor comida do mundo", na opinião dele. Meia garrafa de vinho branco gelado, alentejano, porque eu vou comer garoupa. "Bebemos o que quiser, eu prefiro branco, mas se gosta mais de tinto..." Mete-se com o empregado, "o baiano", "um grande amigo meu", porque os brasileiros lhe lembram um dos seus países queridos, o Brasil. Agarra o braço do "baiano", que é do interior da Baía e já sabe os gostos dele, adianta serviço. "O senhor doutor costuma comer a sopa, vou trazer." "Sopa de rúcula? O que é isso, rúcula? Sopa de rúcula? Nunca ouvi falar! É bom?" Todos o tratam com respeito e com afeto e de outras mesas chegam pessoas a cumprimentá-lo como se o conhecessem de sempre. "Este não conheço de lado nenhum, mas ele parece que me conhece a mim, é natural". O baiano convence-o de que a sopa de rúcula é excelente. "Venha a sopa de rúcula, que raio de nome!"

UMA VIDA CHEIA
Anda nisto, a viagem da vida, há nove décadas. Com muito gosto. Fundador do Partido Socialista. Fundador, ou um dos pais fundadores, da democracia portuguesa nascida da revolução de abril. Foi sempre um europeísta e um internacionalista. E sempre reclamou o título de patriota. "Como é que se pode não ser patriota quando se gosta de Portugal?" Sempre lhe ouvi estas palavras.

Já não viaja tanto como dantes, desde a doença (uma encefalite, infeção aguda do cérebro) e tem pena. Nunca foi a Timor, o único lugar onde se fala português onde não foi. "E agora já não irei". A Fundação Mário Soares alberga um arquivo de Timor. Nem vai já a Paris, para onde viajava todos os outonos. Paris sempre foi a sua cidade, a do exílio, das memórias, das amizades políticas, da cultura francesa, das livrarias donde regressava carregado de sacos, dos jornais e revistas de cujos diretores era amigo (como o do "Nouvel Observateur", Jean Daniel) dos bouquinistes do Sena e dos bons restaurantes e vinhos. De "mon ami Mitterrand". Depois da doença foi lá "por causa de um livro que lá publiquei em francês. E antes disso, fui porque sou presidente de um prémio que atribuímos ao Presidente da República ainda ele não era Presidente, o Hollande. Ele pediu-me para ir entregar-lhe o prémio e eu fui. Estava melhor do que estou hoje. Correu lindamente".

Que avaliação faz do mandato de François Hollande, que é geralmente considerado uma desgraça? "Eu digo o mesmo. Não estou contente com o mandato do Hollande". Obama é o seu favorito, "uma grande figura, aquele Congresso de direita não o deixa governar, são antidemocratas". "O Hollande é um socialista, eu conheci-o no tempo do Mitterrand, ele levava a pasta do Mitterrand". Quando lhe digo que Hollande não foi treinado por Mitterrand, um grande sedutor, para lidar elegantemente com as histórias de mulheres, e que a história de alcova em que se meteu é lamentável e deu cabo dele, Soares acena com a cabeça. "Pode ter dado cabo dele mas também deu cabo dela. Uma mulher furiosa, nada mais". Haveria gente mais interessante para ter ficado com o trono do Partido Socialista? "Havia, a filha do Delors, Martine Aubry. Ativíssima. Não sei se ela é candidata ao que quer que seja, mas é uma socialista autêntica". E Manuel Valls, o primeiro-ministro francês, que sugeriu retirar a palavra Socialista de Partido Socialista? "Uma besta! Não podia continuar como primeiro-ministro. Eu escrevi um artigo nessa altura sobre isso em que dizia que aquele tipo devia ir para a rua imediatamente. Um Presidente que é eleito como socialista e que tem um primeiro-ministro que diz que quer deitar o socialismo fora! Eu demitia-o, evidentemente. É infeto que Hollande o mantenha".

SOCIALISMO DE BOA SAÚDE
Será o socialismo uma relíquia? A verdade é que existe uma crise grave dos partidos socialistas na Europa. "Nem em todos. O futuro é socialista. Porque este estado de coisas, estes regimes em que os tipos de direita fazem tudo o que querem às pessoas, não se pode manter". No caso de Espanha, abre uma exceção de caráter para Mariano Rajoy. "Não acho que seja um vigarista. Pode ser um homem pouco inteligente, se quiser, mas tem a vantagem de ser galego e os galegos são amigos de Portugal". Quando lhe digo que em Espanha o PSOE não tem já um Felipe González, ele responde que não, mas "tem um tipo extraordinário e um grande socialista, o Pedro Sánchez. Tenho a melhor opinião dele". Não acha nada que o socialismo vá acabar, pelo contrário. "O socialismo é fundamental para que a União Europeia continue. A UE foi feita com dois partidos, o Democrata-Cristão e o Socialista. E a União vai continuar". A posição alemã e a intransigência quanto ao défice, com os planos de austeridade, são "coisas que será bom discutir à distância, quando o tempo passar e se vir o resultado. Eu não gostaria de calçar os sapatos da sra. Merkel porque a Alemanha está em decadência. O que se passa na Alemanha é o contrário do crescimento económico". Não estará o capitalismo numa fase diferente, mais avançada, tecnológica, academicamente obscura, do que no tempo em que ele era o chefe do Partido Socialista?

O empreendedorismo e a livre iniciativa como inimigos declarados do contrato social? "Não! Você acha que há livre iniciativa num Governo como o português ou o espanhol?" Bom, eu quero dizer com isto iniciativa privada. "Ah! Isso é uma coisa diferente! Ah! Muito diferente! Nada de livre".

Os socialistas ou se reformam ou morrem, é a tese da direita, e não só da direita. "Coitada da direita! É preciso acabar com a direita! É isso. Já lhe disse que quem fez a Europa, a União Europeia, foi o socialismo democrático e a democracia cristã. O que existem agora são partidos que historicamente não fazem sentido".

Quando lhe pergunto qual é que ele acha que é o pior governo da Europa, com exclusão da Hungria, que é um caso que roça a autocracia, ele diz que "o Governo português é muito mau, é péssimo!" Também não modera a crítica ao Presidente da República, que acha irremediavelmente comprometido com o caso BPN. "O Eanes, o Sampaio e eu nunca fomos assim". O Presidente já disse que não haveria eleições antecipadas, ponto final. Ou seja, mais um ano deste Governo? "Se calhar... ele o disse".

Digo-lhe que quando ele usa palavras mais violentas ou desbragadas para criticar certos políticos de direita, a reação é acusá-lo de estar muito velho e não saber o que diz. "Bom, a verdade é que eu estou realmente muito velho!" Muita gente está a ser atacada por delito de velhice e não perceber o mundo em que vivemos hoje. "Já reparei nisso. O ataque aos velhos. Estão no seu direito. Um dia também vão ser velhos e não é nada fácil!"

ORGULHO NA FUNDAÇÃO
Fica enervado quando lhe digo que é atacado por causa da Fundação Mário Soares, que é acusado de ter atacado o Governo quando lhe retiraram parte do subsídio público da Fundação e diz-me que nunca foi nada disso e que a Fundação não depende disso. "Fiz a Fundação com o dinheiro, as doações que me deram para uma campanha eleitoral, e que não usei. Não gastei. Fui [ter com os doadores] para o devolver, está aqui o vosso dinheiro, mas eles não o quiseram de volta porque já estava nas escritas deles. Ora eu não ia ficar com o dinheiro. Disse que ia criar uma Fundação, desde que eles assim o entendessem e ficassem membros fundadores da Fundação. A Fundação nunca gastou esse dinheiro com que se fundou, nunca tocámos nesse dinheiro. Se tivermos amanhã uma dificuldade de dinheiro, esse dinheiro está lá, faz parte da Fundação. A Fundação não depende de nenhum Governo. Agora se quer falar disso a sério, tem de me deixar contar a história toda, não uma parte dela. Estou muito orgulhoso do trabalho da Fundação". Anos atrás, lembro-me de o ouvir dizer que todo o dinheiro que recolhia do intenso trabalho quando se retirou da política, nomeadamente livros e programas de televisão que fez, investiu na Fundação a que chamava "uma amante muito cara". Diz que não se lembra de me dizer isso e que a história da Fundação não pode ser assim contada, num restaurante.

O mau feitio não mudou com os anos e o bom feitio também não. Nunca foi homem de fundos rancores ou ódios. "Nunca tive mau feitio, sempre considerei os tipos com qualidade, mesmo quando não eram meus amigos ou eram meus inimigos no tempo em que eu tinha funções políticas. Qualidade é o que me interessa. O Eanes é um tipo de qualidade, como o Sá Carneiro era". Compara a postura deles com a de um membro do Governo sobre o qual conta uma história pouco exemplar que se passou com ele noutro restaurante. Pergunto-lhe se posso publicar a história com nomes e ele diz que não. "Pode mas não deve. Já tenho demasiadas coisas em cima de mim". Falo-lhe das coisas terríveis que escrevem sobre ele na internet, do falso e difamatório texto com a minha assinatura posto a circular todos os meses (desde há anos) e em que ele é atacado de uma forma soez e canalha. Truques de vingança e propaganda que não existiam no tempo em que ele era político. "A internet? Não leio. Não quero saber. Você quer que eu leia a internet? Nunca me preocupei com o que dizem sobre mim e não vou agora começar. O diz que disse não tem nenhum valor! Todos os dias sou confrontado com senhoras e cavalheiros que me vêm abraçar e dizer 'livre-nos dessa malandragem!' Todos os dias!"

A ENCEFALITE
"Estou numa fase da minha vida que é a última. Vou fazer 90 anos. Tive uma encefalite que me enfraqueceu". Uma infeção geralmente viral a que poucos sobrevivem e muitos menos na idade dele. O que assinala a sua robustez. "Tenho um bom coração, tudo aqui dentro do peito está em ótimas condições, impecável. Agora as pernas... as pernas chateiam-me. Fora as outras coisas". Cada dia é um ato de heroísmo naquela idade? "Não! Felizmente não. Os médicos sabem tomar conta de um tipo, sabem o que fazem. Quem me salvou foi o António Damásio, sou muito amigo dele. Houve duas pessoas que me salvaram, a primeira foi a Maria de Sousa, a que eu chamo 'a sábia' e que por acaso foi a minha casa naquele dia tomar o pequeno-almoço, vinda do Porto. Ela é como se fosse família. Disseram-lhe que eu tinha ido para o hospital e ela foi lá ter a correr. Eu estava em coma e ela entrou em contacto com o Damásio".

Digo-lhe que a família dele, a mulher e os filhos, praticamente acamparam nos cuidados intensivos e nunca o deixaram sozinho, quase me fazendo lembrar as famílias de ciganos que acampam no hospital para nunca abandonarem um dos seus. A lealdade da tribo. "A minha família, claro.

Reconciliei-me agora com a minha filha". Os rumores diziam que ele estava zangado com o filho, João, por causa dos apoios a Seguro e Costa e ele diz: "Fiz as pazes com a minha filha, com quem me tinha zangado por causa de certos cuidados médicos que tenho de ter e o meu filho foi o intermediário. Não estávamos zangados, nunca estive zangado com o João! A relação com a família é ótima, como sempre foi. É a família, e podem dizer de nós o que quiserem".

É extraordinário, dada a intriga e críticas violentas que correm à simples menção do nome Mário Soares, que nesta idade ele ainda seja considerado um inimigo político. "Sou o gajo que lhes atira mais às trombas, que quer você? E não digo mais nada, não quero falar mais de política. Porque sou um cidadão especial". Especial porquê? "Pelos cargos que desempenhei e pelas coisas que fiz. Sou um cidadão livre mas especial. Primeiro, desde os 14 anos que sou político. Segundo, desde sempre escrevi o que quis. E registei tudo aquilo que me disseram. Registei tudo. Tenho tudo escrito desde os meus 14 anos. Se quiser dar-me a honra de visitar a minha biblioteca para ver o que está guardado verá que está lá tudo o que escrevi desde os 14 anos, o que publiquei e não publiquei e tudo o que me responderam e disseram". A biblioteca, que ele arrumou há poucos anos no andar de cima da casa do Campo Grande, comprado para o efeito, é um verdadeiro arquivo da História de Portugal. Visitei-a quando Mário Soares andava a arrumá-la, empoleirado, ordenando temas e datas e mostrando os livros, as primeiras edições, com orgulho. Tem lá o seu escritório com vista para terraço arranjado com plantas pelo amigo Gonçalo Ribeiro Telles. Nunca vi estes registos, estes diários, e pergunto-lhe se não deveriam estar na Fundação Mário Soares ou mesmo, um dia, na Biblioteca Nacional. "Não estão, não estão nem num lado nem noutro. Estão na biblioteca da minha casa. E saiu na quinta-feira [27 de novembro], como sabe, um livro meu com tudo o que escrevi entre 1970 e 1974, esses registos". "Cartas e Intervenções Políticas no Exílio", editado na Temas e Debates pela sua velha amiga e editora Guilhermina Gomes, a diretora editorial. Estes são os anos em que estava em Paris. "Está lá tudo, nestes escritos, porque eu falei com toda a gente. É História. E tenho livros de toda a gente. Tudo o que me escreveram e disseram e tudo o que lhes disse e escrevi está lá". Estas são as verdadeiras 'Memórias', as que se pensava que nunca tinha tido tempo para escrever.

Uma das grandes influências na sua formação política e republicana foi do pai, João Soares. Mas houve outros: "O Mário de Azevedo Gomes, o Hélder Ribeiro, o António Sérgio, talvez tivessem ainda mais importância do que o meu pai. Todos contribuíram". E Álvaro Cunhal? "Numa certa altura, sim, depois deixou de ter e depois tive de o combater. Sou muito diferente do Cunhal". Cunhal era ou não uma grande figura? "Não tão grande como dizem, era um leninista". Entre a gente que conheceu nos verdes anos, e nos maduros, os políticos nacionais e internacionais com quem privou, do amigo Mitterrand ao amigo Willy Brandt, e a gente que vê hoje deslizar pela política, nota uma grande diferença. Tem saudades desse tempo? "Não". Soares nunca quer falar do passado e detesta a nostalgia. O futuro sempre lhe interessou mais. "E assim continuo, o que me importa e interessa é o futuro". Na idade dele, seria de esperar que o futuro lhe importasse menos do que a memória. É uma forma de altruísmo pensar o futuro onde não se vai estar. Soares foi dos primeiros a interessar-se pelo estado do planeta, a sua preservação, e a preservação dos mares como património da Humanidade. No que foi ajudado pelo seu grande amigo, o cientista Mário Ruivo, uma autoridade em oceanos. Foi um ecologista quando ainda não se falava em alterações climáticas ou a ecologia era confundida com manobras comunistas de distração e manipulação. Verde por fora vermelho por dentro era o grito contra a ecologia. "Sempre me preocupei com o planeta, você não imagina o estado em que está este planeta! É fundamental salvar os oceanos e não estamos a fazê-lo, fartei-me de organizar coisas para isso. E o ano passado, com as marés de inverno, o litoral português desapareceu. A areia foi-se e este ano vai ser pior. É preciso impedir esta catástrofe".
E está confiante no futuro? Ou numa mudança política em Portugal? "Dentro de um ano este Presidente deixa de ser importante, o que não é pouco".

Uma das libertações da idade é que ele, que nunca foi paciente, pode dar inteira liberdade à sua impaciência. "Cada vez tenho menos paciência para certas coisas".

ADMIRAÇÃO POR OBAMA
Nesta altura da refeição ele mandaria vir, in illo tempore, um charuto. Ou fumaria, uns anos antes disso, um cigarro. O cigarro nunca pareceu nele um adereço natural. "Nem cigarro nem charuto, agora, e nunca engoli o fumo". Digo que está como o Presidente Bill Clinton, que diz que experimentou marijuana mas nunca engoliu. Mário Soares gosta de Bill Clinton, que conheceu, e da "madame Clinton". "Mas Obama é o meu favorito, sem dúvida. Um tipo de uma categoria excecional". A Administração Obama perdeu esta eleição intercalar. "Ele não perdeu as eleições, foram os democratas que perderam as eleições, o que é um bocado diferente". Regresso às derrotas dos partidos socialistas e sociais-democratas, que parecem nunca se terem recomposto da queda do Muro. "Não existem, ou melhor, não têm existido durante este período, mas vão ter de existir ou a União Europeia vai para o charco". Acha que existe uma hipótese de Marine Le Pen ganhar as presidenciais em França? "Existe, mas espero que não ganhe". Não acha que seja o fim da União Europeia se Le Pen ganhar, e aprecia Jean-Claude Juncker, está convicto de que ele segurará. "Conheço o Juncker muito bem, acho que ele impedirá a União Europeia de se partir". E se o Reino Unido quiser sair? "Oxalá, não tem para onde ir". E a ligação com a América, não será tudo o que precisam? "Os ingleses nunca deixaram que os americanos fizessem parte da Commonwealth, nunca criaram esse espaço como nós fizemos como espaço da lusofonia incluindo o Brasil. E nunca deixaram porque têm medo dos americanos".

O Brasil tem recursos económicos que não temos, e no caso da PT não demonstrou grande solidariedade lusófona. "Os brasileiros têm grandes problemas, estão aflitíssimos. Isso da PT foi tudo uma estupidez. O modo como o Governo resolveu destruir o aparelho do BES prejudicou tudo o resto, não perceberam como o grupo era importante para a economia e deram cabo de tudo. E hoje toda a gente ficou danada, foi tudo mal resolvido. Atiraram tudo abaixo sem nenhuma vantagem para Portugal". Mas os administradores do BES não cometeram demasiados erros e trafulhices? "Claro que cometeram, e toda a gente parece que sabia disso e não se importava".

A situação de Portugal incomoda-o. A venda de ativos e centros de decisão nacionais, a alienação de bens a preços de saldo. "Hoje, Portugal não existe. Se for de Bragança ao Algarve a pé não encontra ninguém. Não há terras cultivadas, populações, vida. Estes gajos estão a destruir o nosso país, estão a vender tudo, só falta a TAP". Inconsciência do Governo? Aperto? Ideologia? "É também inconsciência. Falta de experiência". Atravessamos um momento de algum desespero? "Algum é favor. Desespero mesmo". Há um certo medo que faz recordar o marcelismo, o fim do regime. "O Caetano? O Caetano era outra coisa, não era como estes tipos, pode crer".

Nesta altura, Bagão Félix, que estava a almoçar numa mesa do mesmo restaurante, aproxima-se para cumprimentar "o senhor doutor". E cumprimenta-o pela excelente forma. "Na minha idade nunca se está em grande forma. Tive uma encefalite que me dá grandes lapsos de memória mas o que é interessante é que resisti quando toda a gente dizia que eu ia morrer!" Bagão Félix diz que o pai, com 94 anos, acaba de renovar a carta de condução. "Eu isso não faço, a partir dos 80 anos deixei de beber whisky e bebidas assim, deixei de fumar, deixei de guiar". Mário Soares era um péssimo condutor, há que dizê-lo, e um passageiro apressado e apreciador de velocidade. A mecânica nunca foi o seu forte.

SEM RANCORES
Estamos no fim do repasto, sem doces nem café. Pergunto-lhe se está um bocado amargurado com a pátria, se estas crises lhe roem os anos que lhe restam. "Nada! Não tenho amargura. O que me interessa é o futuro e no futuro o socialismo vai regressar, não tenho nenhuma dúvida. Acha que os bandidos e os mercados não vão mandar nisto para sempre?" Respondo que não me parece tão certo o triunfo do socialismo. Ou dos ecologistas. A China e os EUA, os dois maiores poluidores reunidos em cimeira recente, não vão deixar de poluir o planeta, e a Índia recusa-se a deixar de usar o carvão. Ou seja, o capitalismo nascente e o velho capitalismo americano não estão dispostos a deixar de ganhar dinheiro, como compete ao capitalismo. E a Rússia? "O Putin, ex-KGB, é um filho da mãe, muito diferente de Gorbatchov". E no Médio Oriente "nunca houve tantas guerras como há hoje". Das personagens políticas com as quais se correspondeu e conheceu e de quem foi amigo, destaca François Mitterrand, "um grande intelectual e amigo", Willy Brandt e Helmut Schmidt. "Estes, sim, eram grandes políticos alemães".

Vai continuar a escrever no "Diário de Notícias", mas decidiu que não se mete mais em política. "Já tenho chatices que me cheguem, tenho de cuidar dos livros". Mas que é que lhe podem fazer? Que "chatices" pode vir a ter com os seus inimigos? Digo-lhe, a brincar, que não o podem deportar para São Tomé ou exilar em Paris. "Não, não podem, mas se pudessem neste momento não me dava jeito. Tenho de estar cá, em Portugal".

[Clara Ferreira Alves,  na edição da Revista do Expresso de 29 de Novembro]