domingo, dezembro 30, 2012

Concertos inesquecíveis em 2012


Ornatos Violeta, Coliseu do Porto
Flaming Lips, Primavera Sound Porto
The Kills, Optimus Alive Lisboa
The Cure, Optimus Alive Lisboa
Other Lives, Primavera Sound Porto
Beach House, Primavera Sound Porto
Destroyer, Primavera Club, Guimarães
Sensible Soccers, Primavera Club, Guimarães
Sharon van Etten, Primavera Club, Guimarães
M83, Primavera Sound Porto
Daughn Gibson, Primavera Club, Guimarães
Radiohead, Optimus Alive Lisboa
The XX, Primavera Sound Porto
The Antlers, Optimus Alive Lisboa
Yann Tiersen, Primavera Sound Porto
Suede, Primavera Sound Porto
Laurie Anderson, Aveiro
Russian Red, Mexefest Porto

Da plateia em 2012


ATEM le souffle, Josej Nadj *****
Medida por medida, Nuno Cardoso ***
For Rent, Peeping Tom ***

Livros sublinhados em 2012


Rui Nunes, O choro é um lugar incerto
Rui Nunes, Ouve-se sempre a distância numa voz
Sandór Márai, As velas ardem até ao fim
Sandór Márai, A herança de Eszter
Sandór Márai, A ilha
Osamu Dazai, Não humano
Ivan Burin, O amor de Mitia
Ivan Turgueniev, Águas de Primavera
Lev Tolstoi, Senhor e servo
Henry James, Diário de um homem de 50 anos
Eduardo Galeano, Bocas del tiempo
Philip Roth, Némesis
Ruben A., O outro que era eu
Andrei Platonov, A Escavação
Almeida Faria, Rumor branco
Tomas Transtomer, 50 poemas
Walt Whitman, Canto de mim mesmo
Juan Luis Panero, Poemas
Nuno Júdice, Fórmulas de uma luz inexplicável
Paul Eluard, Capitale de la douleur
Paul Eluard, Dernières poèmes d'amour
Manuel António Pina, Farewell happy fields
Haruki Murakami, 1Q84 (interrompido)
Rob Riemen, O eterno retorno do fascismo
Nicolas Taleb, O cisne negro
David Dinis, Hugo Coelho, Resgatados
Tony Judt, Uma grande ilusão?
Paris Review, Entrevistas 

Fitas em pause em 2012


The perks of being a wallflower, Stephen Chbosky (2012) *****
Amour, Michael Haneke (2012) *****
Madame de..., Max Ophuls (1953) *****
Carta de uma desconhecida, Max Ophuls (1948) *****
Trouble with the curve, Robert Lorenz (2012) *****
Lust Caution, Ang Lee (2007) *****
Oslo, Joachim Trier (2012) *****
The lives of the others, Florian Henckel von Donnersmark (2006) *****
Beast of southern wild, Benh Zeitlin (2012) *****
Em Bruges, Steve McDonagh (2008) *****
O Artista, Michel Hazanavicius (2011) *****
A bout de soufle, Jean-Luc Godard (1959) *****
The ides of March, George Clooney (2011) ****
Red, Kieslowski (1994) ****
Blanc, Kieslowski (1994) ****
Never let me go, Mark Romanek (2010) ****
De rouille et d'os, Jacques Audiard (2012) ****
Moonrise Kingdom, Wes Anderson (2012) ****
Shame, Steve McQueen (2011) ****
Notebook, Nick Cassavetes (2004) ****
Take Shelter, Jeff Nichols (2011) ***
Go get some Rosemary, Joshua e Ben Safdie (2009) ***
Magic Mike, Steven Soderbergh (2012) ***
Un été brullant, Philippe Garrel (2011) **
The rome with love, Woody Allen (2012) **
The letter, Jay Anania (2012) **
Carnage, Roman Polanski (2011) *
Brave, a Indomável (2012) *
Holy Motors, Leos Carax (2012) *
Tabu, Miguel Gomes (2012)
Aniki Bobó, Manoel de Oliveira (1942) ****

A desilusão:

Tal como no ano passado, Woody Allen. Bem, e o Garrel desta vez também.

quinta-feira, dezembro 27, 2012

Andrei Platónov: A escavação


"Mas para dormir era preciso ter tranquilidade de espírito, confiança na vida, perdoar a mágoa passada, e Voschev estava ali deitado na seca tensão da consciência e não sabia se tinha alguma utilidade neste mundo ou se tudo passaria muito bem sem ele. (...) O homem constrói uma casa, mas destrói-se a si mesmo. Quem viverá então?

No terreno baldio segado cheirava a erva morta e à humidade dos lugares desnudados, pelo que se sentia mais claramente a tristeza geral da vida e a melancolia da inutilidade. Deram uma pá a Voschev e ele agarrou-a nas suas mãos, com a dureza do desespero da sua vida, como se quisesse extrair a verdade do interior dopó da terra; deserdado da sorte, teria aceitado a ausência de sentido para a existência, mas queria ao menos observá-lo na substância do corpo de outro, de um homem próximo - e para se encontrar perto desse homem, era capaz de sacrificar no trabalho todo o seu frágil corpo, extenuado pelo pensamento e pelo absurdo."

segunda-feira, dezembro 17, 2012

First time: doze anos


I love you because the earth turns round the sun,
because the North wind blows north sometimes,
because the Pope is Catholic
and most Rabbis Jewish.
because winters flow into springs and the air clears after a storm,
because only my love for you despite the charms of gravity keeps me from falling off this Earth into another dimension.

I love you because it is the natural order of things,
I love you like the habit I picked up in college of sleeping through lectures or saying I'm sorry when I get stopped for speeding.
because I drink a glass of water in the morning and chain-smoke cigarettes all through the day,
because I take my coffee Black and my milk with chocolate,
because you keep my feet warm though my life a mess
I love you, because I don't want it any other way.
I am helpless in my love for you
It makes me so happy to hear you call my name
I am amazed you can resist locking me in an echo chamber where your voice reverberates through the four walls sending me into spasmatic ecstasy

I love you because it's been so good for so long
that if I didn't love you I'd have to be born again
and that is not a theological statement.
I am pitiful in my love for you

The Dells tell me Love is so simple the thought though of you sends indescribably delicious multitudinous thrills throughout and through-in my body

I Love you because no two snowflakes are alike and it is possible if you stand tippy-toe to walk between the raindrops

I love you because I am afraid of the dark and can't sleep in the light
because I rub my eyes when I wake up in the morning and find you there
because you with all your magic powers were determined that I should love you
because there was nothing for you but that I would love you
I love you because you made me want to love you more
than I love my privacy
my freedom
my commitments and responsibilities

I love you 'cause I changed my life to love you
because you saw me one friday afternoon and decided that I would love you

I love you
I love you
I love you

quinta-feira, dezembro 13, 2012

Port of call



And I
I called through the air that night
A calm sea voiced with a lie
I could only smile
I've been alone some time
And all, and all, It's been fine
And you,You had hope for me now
I danced all around it somehow
Be fair to me,I may drift awhile
Were it up to me, you'd know I'd
I called through the air that night
The faults were swarming inside
Was it infantile, that which we desire
Were it up to me, all from your eyes
And I, I called through the air that night
My thoughts were still blurry in time
We were closer then
I'd been alone sometime
Filled your glass with gin
Filled your heart with pride


If there's a plan for me, Would it make you smile?
No I don't want to be there for no one
I'd stay here
No I don't want to be there for no one
That's over the sea
I don't want to follow your light
On the sea
No I don't want to be there for no one
That I can't see

quarta-feira, dezembro 12, 2012

Paul Eluard: Derniers poèmes d'amour



Même quand nous dormons nous veillons l'un sur l'autre
Et cet amour plus lourd que le fruit mûr d'un lac
Sans rire et sans pleurer dure depuis toujours 
Un jour après un jour nuit après nous.

terça-feira, dezembro 11, 2012

Magritte ao vivo


"A poesia escrita é invisível, 
a poesia pinta uma aparência visível."

segunda-feira, dezembro 10, 2012

Ceremony



This is why events unnerve me
They find it all, a different story
Notice whom for wheels are turning
Turn again and turn towards this time
All she ask's the strength to hold me
Then again the same old story
World will travel, oh so quickly
Travel first and lean towards this time

Oh, I'll break them down, no mercy shown
Heaven knows, it's got to be this time
Watching her, these things she said
The times she cried
Too frail to wake this time

Oh, I'll break them down, no mercy shown
Heaven knows, it's got to be this time
Avenues all lined with trees
Picture me and then you start watching
Watching forever, forever
Watching love grow, forever
Letting me know, forever

sábado, dezembro 08, 2012

Portugal, Portugal, de que é que estás à espera?


Todos os dias, 85 portugueses abandonam o país.

Todos os dias, 3 pessoas suicidam-se em Portugal. A taxa de suicídio aumentou 20 a 25%. (Fonte: Programa Nacional para a Saúde Mental)

Todos os dias fecham 100 empresas, só de comércio, em Portugal. (Fonte: Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, hoje, no Expresso)

No primeiro semestre de 2012, os Carros abandonados na rua aumentaram 40%. Em 83% dos casos, não são reclamados pelos proprietários.

Há mais 1,8 milhões de casas em Portugal que famílias. Significa de 32% dos alojamentos existentes são residências secundárias ou estão desocupadas. Apesar disso, 11% das habitações estão sobrelotadas. (Fonte: INE)

Portugueses gastam por trimestre mais de 5300 milhões de euros em alimentos. Este valor baixou pela primeira vez em 18 anos.

A DECO recebeu, até Novembro, mais de 5000 pedidos de ajuda por parte de famílias sobreendividadas. Significa uma média de 15 agregados por dia.

sexta-feira, dezembro 07, 2012

Irreal social

[Alex Stoddard]

Há já algum tempo que Portugal me faz lembrar a Rússia do séc. XIX. Fazia. Até hoje. A partir de hoje, Portugal passa a ser o México dos gangues autorizados.

Uma pessoa vem na auto-estrada em direcção ao Porto, são quatro da tarde, a estrada está deserta. Somos nós e um carro da GNR. Só. Ultrapassamos. Uns quilómetros à frente, a GNR manda-nos encostar. Em plena auto-estr...ada. Paramos. O agente revista tudo, não encontra nada. E como não encontra nada, dispara:
- "Vou passar-lhe uma contra ordenação, porque quando nos ultrapassou percorreu dois quilómetros na faixa do meio antes de passar para a da direita."
- "Desculpe?! Está a brincar, não está?!"
- Não. São 60 euros. Paga já ou fica com a carta apreendida."

A multa é tão surreal que me rio, não consigo sequer irritar-me. Pergunto que parte da multa reverte para a GNR. 10%. Multas à comissão, portanto. Tento pagar com multibanco, o multibanco da GNR não funciona, não tem bateria. Entretanto, já passaram mais de vinte minutos, estamos parados na auto-estrada, onde supostamente não se deve parar. O agente, que não tinha mais de 25 anos, treme, aflito com o embaraço da maquineta multibanco. Solução: escolta policial até a estação de serviço mais próxima.

Chegamos lá, o multibanco não tem dinheiro.
- "Pode fazer o pagamento através de pagamento de serviços."
- "A máquina não tem dinheiro nem recibos."
- "Nesse caso, tem de ficar com a carta apreendida até pagar."
- "O senhor passou-me uma multa, uma multa surreal, não tem como cobrá-la e eu é que fico com a carta apreendida?!"

Portugal é isto. Do local do crime até à estação passaram uns vinte carros, todos pela faixa do meio, perguntei porque não mandou parar todos.
- "Um agente não pode cantar e assobiar ao mesmo tempo."

Está tudo dito. Cuidado quando virem um carro na GNR na estrada, são assaltantes armados, autorizados, perigosos. O agente chamava-se Matos, como o mágico. Em meia hora fez desaparecer 60 euros. Portugal é esta merda!

domingo, dezembro 02, 2012

Christy Lee Rogers

[Da série Reckless Unbound]


É quase demasiado bom, demasiado bonito, para ser verdade. Esta rapariga havaina pinta com a sua máquina de fotografar retratos renascentistas debaixo de água. É a coisa mais bonita que me ofereceram nos últimos tempos, aqui: www.christyrogers.com.

sábado, dezembro 01, 2012

“To have faith and to let each other grow and see if we come back together”


Em breve cada um vai para seu lado,

seja pelo destino ou por algum
desentendimento, segue a sua vida.
...

Talvez continuemos a encontrar-nos,
quem sabe... nas cartas que trocaremos.
Podemos falar ao telefone e dizer algumas tolices...
Aí, os dias vão passar, meses... anos... até este contacto
se tornar cada vez mais raro.

Vamos perder-nos no tempo...